sábado, 20 de abril de 2013

Altamiro Borges: Veja rosna: “O foco agora é Lula”

Altamiro Borges: Veja rosna: “O foco agora é Lula”: http://ajusticeiradeesquerda.blogspot.com.br/ Por Altamiro Borges Para os ingênuos e pragmáticos que sonhavam que o midiático julga...

terça-feira, 22 de janeiro de 2013


Wevergton B. Lima: Marina Silva e a “Santa” Natureza


Recentemente Heloísa Helena divulgou que sua “amiga” Marina Silva tinha se convencido a fundar um novo partido e disputar as eleições presidenciais de 2014, no que contava com seu (dela) apoio. Nada mais legítimo. 

Por Wevergton Brito Lima para o Portal Vermelho.


O problema é que, “por coincidência”, a partir daí meu e-mail acabou sendo “sorteado” por algum marinista convicto, muito cioso de suas obrigações como militante e que tem certeza de que eu não consigo passar sem ler as colunas de Marina Silva publicadas pela Folha de S.Paulo, inclusive com direito a retrospectivas!

Nas redes sociais também já é comum encontrar este tipo de iniciativa, principalmente de jovens, encantados sobre como Marina Silva, obreira da Assembleia de Deus, é legal e moderna (pois defende a natureza).

Eu já conhecia a face colunista da presidenciável, mas desisti de ser um leitor assíduo no dia em que ela comparou Chico Mendes com Dom Eugênio Sales...

Sobre meio ambiente o que se extrai das colunas da ex-senadora vem de uma visão idealizada da natureza e, mesmo quando ela fala em melhorar indicadores sociais, fica claro que a melhora destes é subordinada ao olhar místico de uma natureza idílica e pura. 

Aliás, raramente você consegue ler ou ouvir alguma coisa minimamente coerente de certo tipo de “ambientalista” adorador do Al Gore e defensor do “capitalismo verde”. 

Antes que alguém fique chateado e me acuse de distorcer as posições de Marina, peço apenas que leiam artigos dos dois personagens (Marina e Al Gore). Neles, sem falta, o leitor encontrará a mesma embrulhada de moralismo pequeno-burguês, “fetichização” da natureza, teorias catastrofistas, de vez em quando acompanhadas de fartas doses de misticismo e esoterismo da pior espécie. Tanto assim que, na Campus Party de 2011, segundo reportagem da Veja, “o clímax foi atingido quando Gore agradeceu a presença no evento da ex-candidata à Presidência da República Marina Silva – chamando-a carinhosamente de ‘minha amiga’. O público foi ao delírio. A ‘verde’ Marina acompanhou o debate sentada entre os campuseiros.” 

Antes de qualquer alusão ao significado político das movimentações de Marina Silva, creio ser importante buscar entender o que significa, do ponto de vista ideológico, o discurso que Marina e muitos dos seus seguidores fazem sobre o meio ambiente. 

A ilusão

Desde a queda do Muro de Berlim uma gigantesca máquina de propaganda tenta convencer o mundo de que a luta por um novo sistema social é utópica e irreal, e busca canalizar a vocação rebelde da juventude para causas colaterais que não ataquem o que realmente possa representar perigo ao status quo. 

A “luta pela preservação ambiental”, destituída de conteúdo político, tem servido como uma luva a este propósito.

A visão mistificada da natureza é muito bem vendida por uma sórdida aliança entre mídia hegemônica, ONGs testas de ferro de interesses imperialistas e políticos oportunistas (alguns incrivelmente usados sem terem disso consciência, outros descaradamente canalhas), e consegue fascinar um incrível número de jovens bem intencionados que acabam convencidos de que o maior problema do mundo é salvar o urso panda, contribuindo assim para a alienação da juventude das causas reais da devastação ambiental e das injustiças sociais. 

O Urso Panda, aliás, se dependesse da “santa” natureza já tinha ido pro vinagre há muito tempo. Esse animal é um bicho que evoluiu errado. Era carnívoro, virou herbívoro e passa 16 horas por dia comendo bambu. Apesar de comer de 9 a 14 quilos por dia, sua pouca absorção de nutrientes (característica de seu sistema digestivo ineficiente para o alimento que ele passou a comer) mal lhe sustenta as funções básicas do organismo. 

Além disso, o Urso Panda, pra desespero da Ursa Panda, só quer saber de sexo uma vez por ano (tem um motel em Botafogo que tem o Urso Panda como símbolo, ou seja, um contrassenso).
A natureza, para desgosto da “trotskista cristã” Heloisa Helena, não perdoa esse tipo de falha e só o que salvou o Urso Panda da extinção foi a ação humana, que se dá ao trabalho de preservá-lo em cativeiro, fazendo de tudo para que o pouco entusiasmado Urso Panda procure com mais constância a senhora Ursa Panda, podendo nascer assim mais pandinhas. 

Eu, de minha parte, apoio incondicionalmente as medidas contra a extinção do Urso Panda, se temos meios de preservá-lo, mas vejam que os que trabalham com a noção da “santa natureza” e aplaudem essa iniciativa caem em contradição com seu próprio discurso pois essa ação preservacionista é uma clara intervenção direta do homem no livre curso da natureza. Mas a natureza não é boa? A natureza não é justa? A natureza não é sábia? Claro que não! A natureza apenas é. 

A natureza está pouco se lixando para considerações éticas, morais ou filosóficas. Quem tem estas preocupações somos nós, homens e mulheres.

Quando um jovem leão expulsa o leão mais velho da liderança de um bando, a primeira providência que o novo líder toma é devorar os leõezinhos, filhotes do antigo líder. A cena é de grande violência e dramaticidade. Num primeiro momento as leoas se unem para tentar deter o invasor e salvar os filhotes, mas via de regra são facilmente derrotadas. O jovem leão sai então à caça dos filhotes que, desesperados, tentam escapar, sem sucesso. Um a um são achados, mortos e devorados.

Rapidamente as leoas se adaptam à situação e se entregam ao novo líder. A “mãe” natureza não julga o “infanticídio” do leão e a conduta, digamos, muito liberal das leoas. O jovem leão, ao matar os filhotes, o faz por instinto, pois sem os filhotes as fêmeas entram mais rápido no cio e o Leão, ao contrário do Urso Panda, é um verdadeiro tarado e gosta de uma prole numerosa. Portanto, os discursos “infantilóides” sobre como a natureza tão boazinha é maltratada pelos homens maus é de uma superficialidade tão grande que raia à indigência mental, mas se extrairmos a essência da maior parte do discursos “eco-chatos” não é justamente isso que encontramos? 

É lógico que a questão da preservação ambiental é um assunto da maior relevância e existe muita gente boa e séria que se intitula ambientalista, título que deve orgulhar e fazer parte do ideário de todo lutador social consequente. Mas, por outro lado, é preciso que essa discussão se dê em outras bases, onde os interesses pelo desenvolvimento humano, pelo combate à pobreza e à exclusão social não sejam colocados como inimigos da preservação ambiental. Sem um debate mais qualificado vamos apenas patinar na cantilena de charlatões e aproveitadores sem jamais aprofundar a questão que nos levará inevitavelmente a questionar o modo de produção. A devastação do meio ambiente é real? Claro. Existem espécies ameaçadas pela ação predatória do homem? Sem dúvida. Mas o modo de produção e os valores dominantes que daí decorrem são os reais problemas a serem enfrentados se quisermos falar a sério em preservação ambiental e não nos perdermos no pântano de “trotskismos cristãos” e outras aberrações.

Para finalizar, nas colunas da Marina publicadas pela Folha li duas vezes referências a uma carta aos jovens, escrita por Chico Mendes pouco antes de morrer. É engraçado que a colunista não tenha publicado nenhuma parte da mesma, já que ela é muito curta e incisiva. Em duas colunas distintas ela menciona a carta com destaque, mas sem citar qualquer trecho. Basta, no entanto, ler a carta para compreender que, para Marina, só interessa usar a face mais midiática do Chico Mendes. Termino, pois, com a carta do líder seringueiro que a Marina parece ter vergonha de divulgar. Por ela a gente percebe que, ele sim, compreendia a verdadeira dimensão da luta ambiental.
 
 
"Atenção, jovem do futuro:

Seis de setembro de 2120, aniversário ou centenário da Revolução Socialista Mundial, que unificou todos os povos do planeta num só ideal e num só pensamento de unidade socialista, e que pôs fim a todos os inimigos da nova sociedade.
Aqui fica somente a lembrança de um triste passado de dor, sofrimento e morte.
Desculpem, eu estava sonhando quando escrevi esses acontecimentos que eu mesmo não verei.
Mas tenho o prazer de ter sonhado.

Chico Mendes"

Renato: “Sem conhecimento teórico não há luta revolucionária”


Começou neste domingo (20) o Curso Nível III da Escola Nacional de Formação do PCdoB. Reunidos em Atibaia, cidade localizada a 70 km da capital paulista, cerca de 120 quadros do Partido – dirigentes estaduais, parlamentares, membros do Comitê Central e lideranças das diversas frentes e movimentos de massa do PCdoB – irão debater e aprofundar nos próximos dias conhecimentos sobre filosofia, economia, Estado, classes sociais, socialismo e Partido. 

Por Mariana Viel, da Redação do Vermelho


Antes da aula inaugural, tradicionalmente proferida pelo presidente nacional do PCdoB, Renato Rabelo, foi realizada uma homenagem aos 10 anos de relançamento da Escola Nacional de Formação. O secretário nacional de Formação e Propaganda do PCdoB, Adalberto Monteiro, abordou a necessidade da capacitação teórica e política da militância comunista brasileira para que o Partido possa desempenhar suas responsabilidades no governo, nas lutas de ideias, nos movimentos sociais e no Parlamento. 

A coordenadora Pedagógica da Escola Nacional de Formação, Nereide Saviani, falou dos 10 anos de relançamento da escola, em janeiro de 2003, através do trabalho de Formação com a concepção de Escola Nacional com as seções estaduais – combinando centralização e descentralização. Nereide fez uma apresentação sobre o trabalho da Escola na fase atual e lembrou a trajetória da formação teórica do PCdoB presente ao longo dos 90 anos do Partido. “Chegamos aos 10 anos de relançamento da Escola com a sensação de muito trabalho realizado e muito esforço. Com problemas e espinhos no caminho, mas também com muitas flores e frutos.” 

Em sua fala, Dynéas Aguiar – um dos responsáveis pela organização, direção e elaboração curricular dos cursos regulares do Partido – afirmou que a melhor forma de iniciar um ano é ao lado do coletivo partidário e de “nossos companheiros de luta – aqueles em que nós confiamos a nossa própria vida quando necessário”. Ele lembrou a necessidade da formação teórica para a prática das atividades partidárias e ressaltou que no fim da década de 1980 e começo da década de 1990, quando muitos partidos fecharam suas escolas de formação, o PCdoB reabriu e intensificou a luta pela difusão da teoria marxista. “Reabrimos dizendo que o socialismo vive, nós somos o futuro, nós somos socialistas. Esse que é, portanto, o valor da nossa Escola. Aproveitem ao máximo.”

Renato Rabelo reafirmou que a Formação e a Comunicação são frentes de trabalho prioritárias do Partido. “É preciso ter uma escola porque somos um Partido da ciência, de ideias e que pretende construir uma sociedade superior à capitalista. Isso requer o domínio da ciência e o domínio da teoria, sobretudo, o conhecimento da transformação da sociedade.”

“Nossa escola se baseia na doutrina social, econômica e filosófica mais avançada até agora que surgiu na história da humanidade, que foi criada por Marx. Por isso nosso Partido tem uma base teórica definida. Nós não somos um partido eclético – que pega o pedaço de uma teoria e de outra. A nossa base teórica de Partido é o marxismo. Nosso Partido tem uma teoria muito definida e a Escola visa levar em conta os nossos ideais com base nessa doutrina, mas visa também orientar os nossos quadros e a nossa militância para a nossa luta. Nossa Escola tem um fito muito claro que é a práxis, a luta política e a luta revolucionária. Sem o conhecimento teórico não vamos ter luta política, transformadora e revolucionária.” 

Crise estrutural do capitalismo
Em sua aula, o presidente nacional do Partido fez uma análise aprofundada sobre o mundo atual – crise, instabilidade e sucessivos focos de guerra – e as perspectivas dos comunistas brasileiros. Renato disse que a crise econômica sistêmica em curso no mundo acelera o declínio da hegemonia do imperialismo norte-americano, acentuando também a decadência das velhas potências europeias.

“Na situação de conjunto, verifica-se a tentativa dos países ricos de sair da crise, tendo como consequências mais importantes a intensificação da exploração das massas trabalhadoras e empurrar o pesado ônus da crise para a chamada periferia do sistema, passando a repercutir nas economias nacionais chamadas de emergentes, como a do Brasil.”

Renato falou da pressão comercial das potências capitalistas sobre os países em desenvolvimento, acarretando graves problemas cambiais e produtivos e ameaçando a soberania nacional destas nações, intensificando a exploração dos trabalhadores através dos pacotes de austeridade, diminuindo o mercado interno e, consequentemente, retraindo as exportações daquelas nações.

Brasil 

O dirigente nacional avaliou as tendências atuais no Brasil e as perspectivas eleitorais de 2014. Segundo ele, a despeito da avassaladora campanha antipetista no pleito de 2012, através da exploração exaustiva do julgamento da Ação Penal 470, conhecida como “mensalão”, as forças progressistas brasileiras acumularam importantes vitórias. 

Ele ressaltou a conquista da Prefeitura de São Paulo – principal reduto do tucanato paulistano. Respectivamente, PSDB e DEM perderam o comando de 90 e 200 prefeituras em todo o país. A oposição, no seu total, teve 30 milhões de votos a menos que os alcançados na última eleição.

Diante do crescente apoio da maioria da nação à presidenta Dilma Rousseff, o dirigente comunista transcorreu sobre o acirramento da disputa política no Brasil – formada por forças conservadoras, elites reacionárias e a grande mídia constituída por quatro grandes grupos econômicos de origem familiar.

“Esta ofensiva se caracteriza pelo seu autoritarismo, forte poder midiático, que em última instância é contra a esquerda, as ideias democráticas e da soberania do país, de parceria e solidariedade com os nossos vizinhos do continente. Estes são os divisores de águas entre nós e eles.”

Para ele, a situação se agrava pelo insucesso “das prédicas neoliberais, resultante da grande crise capitalista, pela ausência de uma alternativa e projeto oposicionista para enfrentar o projeto nacional liderado por Lula/Dilma”.

Renato falou ainda sobre a realização do 13º Congresso do PCdoB, em novembro deste ano, que deverá se concentrar no balanço do período Lula/Dilma e na atualização da perspectiva para o Brasil. 

“O 13º Congresso do PCdoB deve fazer o balanço da evolução do seu caminho, exposto no seu programa, definido pelo Novo Projeto Nacional de Desenvolvimento. E a partir disto, distinguir avanços e limites, indicando como avançar, ressaltado novas questões para o embate, e sendo necessário, realizar ajustes que possam repercutir na estratégia – transição ao socialismo nas condições do Brasil. Devemos trabalhar no sentido de que o Brasil precisa de nova arrancada, para um país desenvolvido, soberano, democrático e de progresso social.”

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

INSÔNIA COMPANHEIRA DOIDA DA NOITE


         
                   
     Quando a noite chega,os olhos pesam,o sono se aproxima.
    Bocejos,lágrimas,em forma de grandes gotas caem dos olhos,tudo indica que é hora de dormir.
    Ao chegar na cama,apaga-se a luz,e acendem os holofotes da imaginação.Pensamentos invadem a mente,medos,sensações,enfim,tudo chega,menos o sono.
    O incrível barulho de um galho de árvore,na noite silenciosa,reporta a uma preocupação,um suspense.
    Quando todos os medos são maiores que a paralisia do sono,e a fantasia já despertou a curiosidade,então,levanto,espio pelas janelas.Tudo calmo,nenhum sinal de perigo.  Tomar água,caminhar,e voltar para a cama.E tudo de novo,fantasias,medos...
    Os sons dos outros a dormirem serenamente,é quase um insulto,e tenho que segurar minha agonia para não atrapalhar o sono deles.
    Chega a luz da manhã,consigo dormir,mas o mundo acorda e com ele,vou perambulando pelo dia.
  

Solange Carvalho

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

CRÔNICA DE UM DIA QUALQUER


      Olhei pela janela e vi mais um entardecer.Senti uma saudade esquisita.Sim,esquisita,pois não consegui definir,do que senti saudade.
      Da infância pobre,cheia de problemas,dos pais atônitos,em meio ao desemprego,dos anos 70.Ou seria da troca anual de escolas,feita a custa da troca de bairros,muito comum para que pagava aluguel?Viver de lance na casa dos avós,da lamúria de quem não conseguia mudar a vida e seguia a lamentar?
      Ingratidão a minha,devia sentir saudades da infância.qual parte?
     Aquela música que tocava no velho rádio pendurado em dois pregos na parede,lembro vagamente da música e bem dos pregos que seguravam o rádio.
     Não era tudo tão triste.Tinha as matinês,quando tinha autorização para ir,claro,que devia voltar na hora marcada,então,os ensaios para dançar com a turma.Quanta alegria!
     Dançar na reúna (era assim que chamávamos),e quando aquele rapaz de aproximava!O coração disparava,muita emoção,dançar de rosto colado.
    O velho rádio ganhava importância maior,na segunda-feira,quando tocava aquela música que dancei,no domingo!
     Lembrei,senti saudade do coração bater forte!

quinta-feira, 2 de agosto de 2012

O Mensalão a Mídia Golpista e a Tontura


 
Nos últimos dias,a mídia golpista brasileira montou um circo revoltante.Sob a desculpa de noticiar o mensalão,que ela mesma,já julgou como o maior escândalo da política brasileira,faz dos meios de comunicação, veículos de propaganda despolitizante.
A corrupção é um mal antigo,permeia o sistema econômico em que vivemos.a história do Brasil é recheada de casos de corrupção.
Na década de 90,assistimos a entrega de nossas riquezas,das empresas estatais a preço de banana,sob o lema das privatizações.Emprestavam dinheiro público para empresas privadas comprarem empresas públicas,e não pagavam o empréstimo,nem a compra das empresas.
A mídia golpista defendeu a retirada de direitos dos trabalhadores,foi a favor da Emenda 20,que desregulamentava a legislação trabalhista.De que lado está a imprensa,quando faz o discurso de que todos os políticos são iguais,que não se deve participar da política,
E a tontura? Pode ser labirintite,coluna ou náusea de ver tanta dissimulação da direita reacionária,donas dos meios de comunicação,pregando moral,sem ter.